jusbrasil.com.br
22 de Setembro de 2019

Ensaios do Mestre-Aprendiz

Como o bacharel se tornou pobre cientista tecnológico.

Ivan Kallas - 0 Véio, Bacharel em Direito
Publicado por Ivan Kallas - 0 Véio
há 2 anos

 Tenho ensaiado escrever por aí e no Jusbrasil. Neste caso, poucos artigos. Aceito o desafio de testar esta nova ferramenta de texto. Sempre perdi a memória com imprevistos no editor. (Vou deslogar agora verificando se voltarei no meio do texto do 3o. parágrafo. Abaixo.)

 Acabo de ler e recomendar artigo sobre como, de cada 100 advogados americanos 54 fracassam totalmente em seus propósitos de juventude. Apenas 1 enriquece e 4 ficam bem de vida. Comigo "foi e não foi assim". Abordo tal tema em minha tese de equivalência em doutorado (Jornada para o Futuro, UFMG-Ohio University 1984). Trata-se da característica evolutiva e predatória da natureza. Se fosse diferente seria anti-natural.

 Antes de tudo, Diferente do que relata esta pesquisa nos EUA, outra mostra (simulei queda de luz e voltei ao texto com facilidade). Continuo:

 A maioria das pessoas não quer enriquecer mas viver bem. SER FELIZ. Então, além dos bem sucedidos e dos fracassados, cerca de 41% das pessoas se dão bem. A dificuldade é aumentar este índice de sucesso sem precisar prejudicar os 5% privilegiados.

 Em minha tese pós-doutorado, no Vale da Eletrônica, Multi-Estratégia para Empreendedores (também disponível no link acima) demonstro em forma de texto e ebook (talvez o primeiro do Brasil), como fazer isto.

 Em um dos muitos trabalhos que a FIAT me encomendou, retomado agora em Da Pedra Lascada à Cyber Vida, ensaio em Crowdsourcing-funding:


(Imagem acrescentada após gentis instruções de Natália)

 O desenho de capa é do texto Jornada para o Futuro do qual MultiEstratégia é um resumo amigável, em forma de ebook. O texto final editado recebeu nova capa, disponível no site citado ou no link a seguir. Click para acessar:


 Minha equipe da FAI - Ensino Superior, recebeu o prêmio SUCESU 97 como uma das tres melhores idéias em informática e telecomunicações do país. Ao sair da premiação, de fato, não tinha dinheiro para retornar de taxi para casa. O cientista do ano voltou de ônibus. Como qualquer mortal.

 Para resumir. Buscando obter uma isenção de imposto para aquisição de veículo por CID: TEPC. Trombose, seguida de embolia pulmonar-cardíaca, a atendente fiscal me interpolou sobre porque ainda declarava Imposto de Renda. Pois, sem bens e renda, era isento. Ela não se apercebia de minha declaração de bens onde poderia constar:

  • Direitos e bens disponíveis ... R$ 90.000,00
  • Renda: Isento. Patrimônio: Isento. Mas ...
  • Recuperação Judicial de R$1,5 milhões de bens residenciais, ... R$1,00.
  • Recuperação Judicial e Comercial de R$2,0 milhões, ... R$1,00.
  • Recuperação Comercial de patentes de US$10 milhões, ... R$1,00.
  • Valores em em multas judiciais executáveis R$300 mil, ... R$1,00
  • Perdas e danos de valor aleatório ... R1,00.
  • Dívidas exigíveis .... R$0,00

  Qual a soma do patrimônio líquido deste bacharel septuagenário? Além do Índice de Felicidade. Pois a maioria das pessoas me consideram milionário. Mesmo sem fortuna disponível.

   Paro aqui para perguntar:

  1. Como pode no Brasil um cientista premiado não ter grana para táxi?
  2. Como explicar que 95% dos advogados (americanos) fracassam na vida?
  3. Como recuperar milhões em tecnologia nacional disponíveis?
  4. Como usar a nova ferramenta JusBrasil e empreender com sucesso?

 São as indagações que proponho aqui e compartilho com os colegas.

 Parabenizo a equipe pelo novo formato do Editor de Texto. Mal consegui publicar antes aqui meu artigo Estado de Direito Virtual na sequência do Estado Democrático, Burocrático e Mutante (Weber). Desafiando bacharéis em direito a se inserir no mundo fantástico da tecnologia e inovação a que me dediquei, deixando para meu amigo e contemporâneo Rezek e colegas da Turma Sálvio Figueiredo, UFMG 1971, com Cançado Trindade e outras sumidades o sucesso jurídico e empreendedor.

 Lamento não conseguir ainda inserir imagens no texto (retificado acima após instruções on line da Jus Brasil).

 Vou dar um click em PUBLICAR ARTIGO e, se tudo der certo, desafio os colegas a se inserirem nas aventuras deste bacharel tecnológico, hoje apoiadas pelo INATEL, SINDVEL e outros. Cujo relato e operacionalização se inicia com o Mestre-Aprendiz.

 Pelo que os convido a acompanhar meus próximos artigos. Aventuras e desventuras judiciais e tecnológicas. Na nova ferramenta JusBrasil. Que além de tudo ainda me ajuda a fazer correções, sem precisar salvar para visualizar.

 Vamos aprender juntos a partir de agora? Verdadeiro Mestre-Aprendiz?

O Véio

Ps1. Vamos promover juntos a recuperação democrática, moral, científica, tecnológica, social e econômica deste pobre/rico país.

Ps 2. Estranhou o estilo redacional deste artigo? A web está aí. O PJe também. Vá se acostumando.

Ps 3. E nem falamos na possibilidade da quebra da linearidade do tempo-espaço, costurando presente, passado e futuro em multiverso. Rs. Isto está previsto em minha Tendencies Ratio, UNA/UFMG, 1977. Quer pagar prá ver o que vai acontecer?

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

"A maioria das pessoas não quer enriquecer mas viver bem".

Creio que li algo sobre essa pesquisa, pois me lembro de ter pensado exatamente a mesma coisa. Há que se definir primeiro o que é "sucesso", pois me parece ser algo muito pessoal e específico. continuar lendo

Sem dúvida. Natália.
O mais interessante é a deturpação de foco.
Colocam-se 5% de advogados "bem sucedidos" contra 54% mal sucedidos e 41% no limbo.
Incentivando a velha guerra de classes entre capitalismo e comunismo.

Weber assinala que no Estado de Direito Mutante (expressão minha) diante das crises, geralmente geradas por esgotamento de recursos a revolução se dá com líderes salvando pobres e ricos do colapso através de idéias inovadoras.

Eu entendo que o FIB ou Felicidade Interna Bruta ao invés do PIB, Produto Interno Bruto (matriz de Leontieff) pode fazer com que os 5% mais ricos, possam ajudar os 54% mais pobres a engordar os 41% felizes.

Assim poderíamos chegar à curva de Gauss da normalidade ou seja
5% de ricos potencialmente infelizes
5% de pobres miseravelmente infelizes
90% de pessoas felizes, vencendo a natureza predadora.

É possível sonhar?

Ps. A caixa de comentário e correção de comentário, "editar" diferente do novo editor de texto ainda não permite "visualizar". Vcs pretendem também alterar isto?

De qualquer forma, parabéns pela ferramenta.
E pela sua percepção perspicaz de conteúdo. rs continuar lendo